Artigos, Destaques, Notícias › 31/07/2017

Breve história de Santo Inácio de Loyola

Inácio nasceu em 1491, no Castelo de Loyola, em Guipúscoa, norte da Espanha. Seus pais tiveram onze filhos: oito homens e três mulheres. O mais novo de todos foi Inácio.

Em 1521, com a idade de 30 anos, tornou-se um cavalheiro da Corte e foi gravemente ferido enquanto defendia o Castelo de Pamplona numa batalha contra os franceses. Nesta batalha foi ferido gravemente na perna por uma bala de canhão.

Os vencedores o enviaram a seu Castelo de Loyola para que fosse tratado de seus ferimentos. Fizeram-lhe três operações no joelho, dolorosíssimas e sem anestesia… Contudo ficou coxo para o resto da vida. Enquanto estava se recuperando pediu que lhe dessem para ler estórias de cavalheiros, cheias de narrações inventadas e imaginárias. Mas sua irmã lhe disse que não tinha outros livros senão “A vida de Cristo” e o “Ano Cristão”, ou seja, a história do santo de cada dia. E lhe sucedeu um caso interessante. Antes, enquanto lia as estórias e narrações inventadas, no momento sentia satisfação, mas depois ficava com um sentimento horrível de tristeza e frustração. Ao contrário, agora, ao ler a vida de Cristo e a vida dos santos, sentia uma alegria imensa que perdurava por dias e dias. Isso lhe foi impressionando profundamente.

E enquanto lia as história dos grandes santos, pensava: “E por que não imitá-los?” Se eles puderam chegar a esse grau de espiritualidade, por que não vou conseguir eu também? “Por que não ser como São Francisco, São Domingos, etc.? Esses homens foram feitos do mesmo barro que eu. Por que não esforçar-me para chegar ao grau que eles alcançaram?” E depois se cumpriria nele aquilo que dizia Jesus: “Ditosos os que têm um grande desejo de ser santo, porque seu desejo se cumprirá” (Mt 5,6), e aquela sentença dos psicólogos: “Cuidado com o que desejas, porque o conseguirás”.

Enquanto se propunha seriamente a converter-se, uma noite lhe apareceu Nossa Senhora com seu Filho Santíssimo. A visão o consolou imensamente. Desde então se propôs não a dedicar-se mais ao serviço dos governantes da terra, mas ao Reino do céu.

Apenas terminou sua convalescença foi em peregrinação ao famoso Santuário da Virgem de Montserrat, nas montanhas e Mosteiro do mesmo nome. Trocou suas luxuosas vestes pelas de um mendigo, consagrou-se à Virgem Maria e fez uma confissão geral de toda sua vida.

Em seguida foi a um povoado chamado Manresa, a 15 quilômetros de Montserrat para orar e fazer penitência. Ali esteve por um ano. Neste tempo lhe ocorreu a idéia dos Exercícios Espirituais, que tanto bem iam fazer à humanidade. Foi orando em Manresa que Inácio adquiriu o que se chama “Discernimento dos Espíritos”, que consiste em saber determinar o que acontece no íntimo de cada pessoa e quais são os conselhos que mais necessita para distinguir o bem do mal.

Aos 33 anos, começou como estudante num Colégio em Barcelona, Espanha. Seus companheiros de estudos, muito mais jovens que ele, zombavam muito dele… Depois passou à Universidade de Alcalá… Foi acusado injustamente ante a autoridade religiosa e esteve dois meses no cárcere. Depois foi declarado inocente, mas havia muita gente que o perseguia. Então decidiu ir a Paris para estudar na famosa Universidade da Sorbone.

O surgimento da Companhia de Jesus

Em Paris, formou um grupo, com seis companheiros, que se tornou famoso, porque com eles fundou a Companhia de Jesus. Entre seus companheiros estava o futuro santo Francisco Xavier, que iria evangelizar a Índia. Os sete fizeram votos de serem puros, obedientes e pobres, no dia 15 de agosto de 1534, festa da Assunção de Maria. Comprometeram-se a estar sempre à disposição do Papa para que ele os empregassem no que melhor lhe parecesse para a glória de Deus.

Foram a Roma e o Papa Paulo III lhes deu permissão de ser ordenados presbíteros… Santo Inácio dedicou-se em Roma a aplicar os Exercícios Espirituais e a catequizar o povo. Seus companheiros se dedicaram a dar aulas nas universidades e colégios e a dar conferências espirituais a toda classe de pessoas.

Em 1540, O Papa Paulo II aprovou sua comunidade chamada de “Companhia de Jesus” ou “Jesuítas”. O Superior Geral da nova comunidade foi Santo Inácio, até sua morte. Em Roma, passou todo o resto de sua vida.

Inácio mesmo mandou os seis primeiros jesuítas para o Brasil no ano de 1549, para a evangelização dos índios. Desse primeiro grupo se destacou o Padre Manoel da Nóbrega. Em 1553, chegou um outro grupo no qual vinha o jovem José de Anchieta. Cria-se, então a Província do Brasil, tendo como primeiro Superior Provincial o Pe. Manoel da Nóbrega.

No dia 31 de julho de 1556, com a idade de 65 anos, Inácio morre subitamente. Seu lema era: “Tudo para a maior glória de Deus”. E a Ele dirigia todas as suas ações, palavras e pensamentos. Para que Deus fosse mais conhecido, mais amado e melhor servido.

Em 1622, o Papa o declarou Santo e depois o Papa Pio XI o declarou padroeiro dos Exercícios Espirituais em todo o mundo.

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.